<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d15932754\x26blogName\x3db-site\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/\x26vt\x3d-4232449209465221699', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

segunda-feira, outubro 31, 2005

This is the day

Houve um dia em que a noite não voltou. Ora isso não é coisa que se espere e portanto, quando todos acordaram, naquela manhã, ninguém sabia que esse sol mal nascido seria não apenas a claridade momentânea da cidade mas também o futuro todo e que e as sombras ficariam coladas ao chão como tatuagens definitivas. Houve trabalho, risos, beijos lentos e apressados, conversas, olhares cruzados e umas quantas histórias incertas. Mas nem às sete, nem às oito, nem às nove, nem às dez, nem às horas que já não se contavam assim, o céu desceu escuro e secreto. O sono acabou, os bares fecharam, os carros perderam as luzes e morreram os faróis e algumas palavras como relento. Também Mariana deixou de encontrar no armário o seu vestido de noite preto.

Naturalmente, os guarda-nocturnos ficaram sem emprego e os outros todos tiraram um dia de férias para nunca mais regressar. Na cidade deserta já ninguém espera pela noite e agora sim, ela – coitada - deixou de existir. E nem era das noites piores.

Daniel M.