<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d15932754\x26blogName\x3db-site\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/\x26vt\x3d-4232449209465221699', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quarta-feira, outubro 12, 2005

Walking in my shoes

A verdade é esta (se só houver uma): ninguém sabe bem o que é ser outro. Convém talvez entender que, ao contrário do que parece, a filosofia não é para aqui chamada e é bom que não se apresente, a menos que venha mais magra, sem barriga, capaz de aguentar cem metros de corrida veloz e uma hora de piscina. O que não se sabe, dizia eu, é isto: vestir outras camisas, ter os sapatos noutra casa, ter mãos e anéis maiores ou pequenos como dantes, guardar segredos que não se conhecem, andar na rua com passos esticados por pernas alheias, ter outra voz, o coração trocado, chegar um pouco tarde ao cinema e já lá estar sentado duas filas à frente, escolher outras palavras para explicar as mesmas coisas ou tocar às campainhas com uma dezena de gestos diferentes, os dedos e o corpo marionetas de uma estrangeira intuição. E, no entanto, queremos entender e ser entendidos (esta sim, a mais velha profissão do mundo).

Daniel M.