<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d15932754\x26blogName\x3db-site\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/\x26vt\x3d-4232449209465221699', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

terça-feira, novembro 22, 2005

Rádio Pirata do Ar #6

Bob Dylan, fanhoso genial, recordista dos mil metros de poesia em pelo menos uma dúzia de canções, foi apupado durante toda a segunda parte do concerto do Royal Albert Hall, em 1966, depois de ter trocado a guitarra acústica por uma eléctrica e ter juntado no palco uns quantos músicos capazes de deitar abaixo todas as casas onde uma certa 'American Folk' dormia tão sossegada. Já antes, em Julho de 1965, no Newport Folk Festival, o blues agressivo e a distorção na voz tinham revoltado os puristas e os fãs menos atreitos à mudança. No documentário de Martin Scorsese, No Direction Home, Dylan diz que não o incomodaram esses apupos e essa fúria na plateia porque you know, you got to realize you can kill somebody with kindness too. Se o Scorsese me perguntasse alguma coisa sobre o tema (e não pergunta, e não pergunta) eu diria que sim, que o Bob tem razão. Nunca tive jeito para falar em frente às câmaras e o mais importante já está muito bem dito.

Daniel M.