<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d15932754\x26blogName\x3db-site\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/\x26vt\x3d-4232449209465221699', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quinta-feira, março 23, 2006

Rádio Pirata do Ar #31

Faltavam vinte minutos ou menos para a biblioteca fechar quando entraram, naquele silêncio todo, umas japonesas acompanhadas de máquinas fotográficas e de um tripé. Até aqui nada a assinalar a não ser a mais que previsível combinação de raparigas orientais com instrumentos de fixar sorrisos e restante paisagem. É sexta-feira e, àquela hora, já somos poucos a procurar os livros. Dez minutos depois, a voz do costume avisa-nos que temos de sair com brevidade e em definitivo para o fim-de-semana. Nessa altura começo a guardar o que é meu naquela que só provisoriamente é a minha mesa no meio da sala e, quando me preparo para encontrar a porta de saída, descubro que uma das japonesas está despida, despidíssima e deitada numa das prateleiras mais altas, acho que na secção de livros de arte (não posso garantir), enquanto as outras lhe apontam a objectiva e a incitam a mudar a posição dos braços.

Há prémios bons, de prestígio, sim senhora, mas a suprema ambição de um homem que carrega livros é ter (vem nos livros) uma japonesa nua deitada na última prateleira de uma biblioteca. É como receber o Nobel da Literatura, da Química, da Física, da Matemática (se existisse), da Economia e da Medicina ao mesmo tempo. Só Paz é que não traz nenhuma.

Daniel M.