<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d15932754\x26blogName\x3db-site\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/\x26vt\x3d-4232449209465221699', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

domingo, agosto 20, 2006

O Poborski é o Michael Bolton por outros meios

Já foi há umas semanas atrás (ou em escrita de tasca: «à umas semanas atraz») que o Le Fante mostrou ao mundo um tema dos The Smiths interpretado por uma banda ucraniana. Muitos dos detalhes que definem a forma de cantar do Morrissey prevalecem no novo idioma. Isso fez-me pensar que ele poderia cantar em ucraniano sem que nada se perdesse, nada se ganhasse e pouco se transformasse. Na altura, em comentário ao texto do Pitau-Raia, prometi mostrar (para a troca) que o Rui Reininho também seria capaz de entrar e sair inteiro de uma música dos GNR vertida para checo. Infelizmente, para além de mim, ainda não há quem se tenha lembrado de tão arrojado projecto e neste momento parece-me difícil juntar a gente necessária para uma aventura dessas: raptar o Reininho, fechá-lo numa sala, dar-lhe uma folha com os versos mudados, gravar aquilo, ameaçá-lo e oferecer-lhe uma cerveja e uns trocos para o comboio. Isso enfraquece, como é óbvio, a minha posição mas não me faz desistir pois há uma banda chamada Priessnitz que me pode ajudar a convencer os incrédulos e a corroborar aquilo que defendo. Estejam, portanto, atentos para perceber as semelhanças mas não demasiado atentos de modo a que se evite a triste frase: «não acho assim tão parecido» (um comentário acertado mas que vos vai deixar fugir o essencial).