<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d15932754\x26blogName\x3db-site\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/\x26vt\x3d-4232449209465221699', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quarta-feira, outubro 11, 2006

Oitentar

Os anos 80 são a infância da tecnologia na música, o uso ainda primitivo dos primeiros instrumentos baratos para manipulação do som e o aparecimento de cada vez mais sofisticadas ferramentas nas mãos dos produtores, até então quase todos rapazes de poucas palavras, com um jardim demasiado estreito onde brincar e horas certas para chegar a casa. Isso justifica a preponderância, na altura, desses sintetizadores como que comprados na feira de Espinho, a contrafacção das orquestras, a electrónica sem máscaras, ainda crua, e também a vontade de ter toda a percussão metida à força numa caixa de ritmos ou um baterista-robô, um certo encanto tosco em experimentar os botões novos e, se possível, guardar dez efeitos manhosos na guitarra para cada cor de luz – eram muitas - no palco. Por isso é que as músicas dessa década nos fascinam tanto. Agradam-nos porque possuem uma ingenuidade no tratamento do som que acompanhava a nossa ingenuidade na relação com o mundo. Os anos 80 não são as canções pois mesmo as dos anos 60 servem se devidamente condimentadas. A Kim Wilde ajuda-me a explicar isto com um tema das Supremes e uma t-shirt não suficientemente comprida para lhe ocultar as pernas.