<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d15932754\x26blogName\x3db-site\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/\x26vt\x3d-4232449209465221699', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

segunda-feira, dezembro 11, 2006

The Cat has been drinking

O b-site tem o prazer de apresentar aos blogues «Vidro Duplo» e «As aranhas», o lado-b da doçura: Chan Marshall num (des)concerto no bar Blá Blá em Matosinhos, decorria o mês de Junho, princípio do verão de 2003. Nessa noite ela apareceu sozinha e tocou, relutante, duas músicas completas ao piano e, sem exagero, uma centena de fragmentos de várias canções do seu reportório, se bem que nem todos com os acordes de guitarra correctos. Houve, porém, muitas histórias de adolescência, desavenças, bocejos, peripécias e desilusões, insultos, raiva e adormecimentos. Foi um concerto memorável, apesar de não ter sido um concerto. Ainda hoje me espanto com o comportamento do público naquela noite (não sei se o «povo é sereno» mas a malta dos concertos de Cat Power é, com certeza, pouco dada a tumultos). Para os que não conhecem o bar, vale a pena dizer que o Blá Blá é um espaço pequeno, exíguo para música ao vivo, que o palco estava muito perto de todos e que teria sido fácil organizar um motim com um dos seguintes objectivos:
i) reaver o dinheiro dos bilhetes (a banda espanhola da primeira parte - aliás, qualquer banda espanhola - não merece aquela maquia) .
ii) extorquir à cantora grande parte dos seus haveres e obrigá-la a dormir na praia ou oferecê-la a um marinheiro no porto de Matosinhos, a troco de uma ou duas caixas de sardinhas.

Conheço muita gente que esteve lá, testemunhas como eu daquela bizarria, e a verdade é que a maioria concorda que o concerto foi tão mau, tão mau que se tornou, de certa forma, bom (é um fenómeno conhecido). E foi muito diferente de ouvir um disco. Isso é sempre - mesmo neste caso - um elogio. Fartos de concertos certinhos estamos todos.

Vídeo aqui.