<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d15932754\x26blogName\x3db-site\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/\x26vt\x3d-4232449209465221699', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quinta-feira, dezembro 28, 2006

Oito

Quarta-feira acordei com oito anos de idade. Não foi desagradável. A minha mãe tinha-me escolhido a roupa e, em frente ao espelho, a pequena onda no cabelo mostrava-se invencível, como sempre, resistindo aos movimentos impetuosos do pente (já não me lembrava). O meu caracol-aldeia-de-Asterix. Ao pequeno-almoço disse duas frases brilhantes para a idade (é mentira) e comi um pão com manteiga, despacha-te daniel, mas pouca, já vou. Para meu sossego, no caderno a cópia aparecia completa («A Toda a Vela 3», pag. 18) e as palavras difíceis, quase todas esdrúxulas, repetidas umas quantas vezes com uma letra domesticada a custo. Teria sido tramado acordar de manhã com oito anos e os deveres ainda por fazer. Felizmente a coisa estava bem organizada. Depois cresci como o raio durante o dia. Pelas dez da noite já estava um homem feito e os meus pais sem lata para me mandar recolher ao quarto e dormir.