<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d15932754\x26blogName\x3db-site\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/\x26vt\x3d-4232449209465221699', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

sábado, junho 09, 2007

Os meios não justificam os fins

Ao que parece, Martin Amis terá decretado o fim da poesia, com obituário e tudo. O assunto não me podia desinteressar mais. Sempre que alguém assinala o fim de qualquer coisa (da História, do Cinema, do Pão-de-Ló) há logo quem concorde veementemente e exiba pedaços do cadáver como prova irrefutável do trágico desenlace e há quem, por outro lado, assegure que não, que tal coisa ainda vive e bem, que ainda ontem foram tomar um copo juntos, tendo até sido abordado, com ardor, o estimulante tema dos projectos para o futuro e discutidos os segredos do crédito bancário. Josephine Hart (quem és tu?) pertence a este último grupo e desancou no pobre do Martin Amis com um texto de meia página que não é grande espingarda. É a batalha do costume. No entanto, o artigo tem uma passagem de bom gosto, apesar do mérito da frase pertencer na totalidade a dois escritores, esses sim, indiscutivelmente mortos: «Auden [...] wrote that art is a way of breaking bread with the dead, an antidote to what GK Chesterton called the arrogant oligarchy of those who merely happen to be walking around»