<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d15932754\x26blogName\x3db-site\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/\x26vt\x3d-4232449209465221699', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

terça-feira, junho 05, 2007

Perguntéie

Esta música - aquela lá em baixo - tem múltiplas virtudes. Não só aborda a extraordinária complexidade do «Ramadão na Rua Escura» (tema, por certo, fabuloso e estranhamente negligenciado pelos estudiosos do multiculturalismo no nosso rectângulo de brandos costumes) como também arrisca fazê-lo com pronúncia e alguma falta de respeito pela norma que regula a acentuação das palavras. Chamo a vossa atenção para o modo como, ao fim de 60 segundos de pequenas ameaças, Luís Portugal ataca a primeira pessoa do pretérito perfeito do indicativo do verbo «perguntar».

De forma algo surpreendente, poucos se apercebem ou admitem que o sotaque do Porto (e arredores, não quero problemas) é o que possui a fonética e as impurezas mais adequadas à sobrevivência da língua portuguesa no território agreste do pop/rock (e arredores). Não é por acaso que os Ornatos Violeta, os GNR, os Ban, os Jáfumega, o Rui Veloso e os Mão Morta cantam em português enquanto os Silence Four, os Belle Chase Hotel e os Gift, por exemplo, preferem o inglês para seguir viagem. O JP Simões quando canta em português é brasileiro - faz, portanto, batota pois tem a voz do outro lado do mar - e o David Fonseca é apenas um americano que mora no Bairro Alto há demasiado tempo. E não me venham com o fascinante mundo das excepções. Eu sei que há os Blind Zero e os Rádio Macau.