<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d15932754\x26blogName\x3db-site\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/\x26vt\x3d-4232449209465221699', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quinta-feira, setembro 13, 2007

O Cartel de Madeleine

É preciso acabar de vez com esta nossa estranha obsessão por aquilo que escrevem os jornais ingleses e pelas críticas mais ou menos veladas dos políticos, comentadores e polícia britânicas a propósito do trabalho da PJ neste misterioso novelo de contradições em que se transformou o caso Madeleine McCann. Quando, em Julho de 2005, um agente da polícia londrina atirou a matar sobre um cidadão brasileiro que se dirigia de metro para o seu trabalho e sem a mais ínfima ligação a movimentos terroristas, quanto tempo julgam que os ingleses perderam a ler os jornais de São Paulo ou a ver os noticiários da Globo?

Eu não sei se houve rapto, assassinato com ou sem dolo, ocultação de cadáver nem se a investigação está a ser bem conduzida mas incomoda-me que a nossa imagem «no estrangeiro» (aquilo lá fora) pareça assim tão intimamente ligada ao desenlace deste caso. Seremos um país melhor quando a polícia for mais eficaz e profissional e a justiça menos lenta. Mas só seremos um país a sério quando não tivermos medo de cometer erros em frente das visitas.