<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d15932754\x26blogName\x3db-site\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/\x26vt\x3d-4232449209465221699', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

terça-feira, março 11, 2008

Stop You're Killing Me

Dylan Moran é uma das poucas criaturas, deste circo onde passamos os nossos dias, que consegue transformar um número de «stand-up comedy» numa história bem contada, em vez de se limitar a uma colagem de apontamentos de humor, a um repositório de piadas avulsas ou a um desconchavado comboio de «punch lines». Noutros formatos, há quem faça humor melhor do que ele, mas no palco, sem rede (apesar de haver muito artesanato naqueles textos), não conheço ninguém assim, tão pouco vulnerável às armadilhas da comédia «stand-up», a mais solitária de todas. No entanto, neste espectáculo para a Amnistia Internacional, ele usa, descaradamente, algumas ideias minhas. Tenho provas. Gente disposta a falar.


Parte 1:




Parte 2: