<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d15932754\x26blogName\x3db-site\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/\x26vt\x3d-4232449209465221699', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quinta-feira, maio 29, 2008

Sobrevivente

O último álbum dos «The Shins», Wincing the night away, é um magnífico exemplo de como se pode fazer uma pop sem truques e, simultaneamente, tirar vários coelhos da cartola. Um dos coelhos que me mais agrada, é aquele que se ocupa da melodia das canções; um coelho simples e, no entanto, imaginativo, recusando-se a recorrer às artimanhas preguiçosas da remanescente carneirada que para aí anda. Falarei de carneiros num outro texto. O que importa, para já, é assinalar também a bizarria das letras dos «The Shins», ocasionalmente pontuada por detalhes de humor cínico («your nightmares only need a year or two to unfold»), muito cínico («you haven't laughed since January») ou de um fatalismo cruel («you'll be pulled from the ocean, but just a minute too late») . Tudo isto sem abandonar a faixa «Australia». Se andássemos por outros continentes nunca mais daqui saíamos e eu quero fazê-lo. Quero ir, por exemplo, até à palavra «cunundrum», pronunciada ao minuto 1:04 de um vídeo que pode ser visto, sem taxas moderadoras nem sofrimento, pelo tubo. Julgo que não será demasiado arriscado dizer que esta é a primeira vez que ela surge numa canção (e repetida uns versos à frente, são uns bravos estes rapazes). Quase tudo na palavra «cunundrum» é contrário à volatilidade de uma música pop mas aí está ela a abanar a anca com a sua soturna fonética e pança de uma só vogal. Todavia, os «The Shins» ficam ainda a milhas de, nesta competição, conseguir alcançar o insuperável Sérgio Godinho que, logo no seu primeiro disco, ofereceu generosamente, ao compêndio lírico da música portuguesa, a palavra «estalajadeira», dificílima de ser sussurrada quanto mais cantada com dignidade. Decorria o ano de 1971.


(Quem é que te oferece, quem é?)