<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d15932754\x26blogName\x3db-site\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/\x26vt\x3d-4232449209465221699', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

sexta-feira, outubro 17, 2008

Kundera e quem dera

Excluindo a frase «a simetria homem-escritor e obra-biografia é incontornável», com a qual não estou totalmente de acordo (pois, com jeitinho e talvez alguma falta de juízo, essa até faz parte das simetrias que se podem contornar sem grandes remorsos), eu poderia assinar por baixo este texto do Filipe Guerra sobre a surpreendente mas ainda mal contada história de delação que parece envolver - quem diria - o Milan Kundera nos seus tempos de estudante. O post é muito certeiro mas, imagino eu, tudo é mais simples e deve haver luzes improváveis que se acendem na cabeça quando se tem jovens leitoras que nos escrevem de Praga. *

Também quero jovens leitoras que me escrevam de Praga.


* O Filipe Guerra, entretanto, substituiu a mensagem da leitora pela tradução inglesa da revista «Respekt» e estragou-me este post, já de si fraquinho. Não é fácil viver no século XXI.