<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d15932754\x26blogName\x3db-site\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/\x26vt\x3d-4232449209465221699', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

terça-feira, janeiro 13, 2009

Por um país melhor

O concerto dos dEUS no Teatro Sá da Bandeira - uma sala normalmente reservada ao diabo - para além de ter sido o melhor concerto de 2008, teve um momento que eu, com a preciosa ajuda da excelentíssima senhora internet, gostava de partilhar com vocês e assim iniciar a conversão deste país num território livre de palminhas. E o que são as palminhas? Para começar, apesar do irritante e justo diminutivo, as palminhas não são pequenas. Além disso, quase sempre parecem mais do que as mães, habitualmente ausentes dos lugares onde nascem, crescem e se reproduzem as palminhas (mas aos quais aflui, contudo, um número considerável de filhos da mãe). As palminhas acompanham a parte forte do tempo, não têm sincopas nem tercinas, nem swing, muito menos aquele jeito para rock'n'rollar. São quadradas como a cabeça que comanda as mãos. Moles e gelatinosas. Dão cabo dos nervos e da música, ao mesmo tempo. Sempre na parte forte do tempo, chiça.

Claro que para fazer de Portugal um país melhor, tive de recorrer, contra os meus princípios, a um vídeo gravado por um caramelo qualquer que, provavelmente, passou o concerto todo de braço no ar e com o ecrã plantado entre os meus olhos fundos e o palco. Enfim, o mundo não é perfeito. Mas vai ser, com a sua ajuda. Medite e divulgue (o uso da violência não é aconselhado mas serão toleradas todas as acções que resultem em fracturas do cúbito, rádio, pulso ou de falanges hiperactivas, desde que executadas com discrição e de forma a não comprometer o alinhamento do concerto). Depois trataremos do problema das câmaras de filmar.