<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d15932754\x26blogName\x3db-site\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/\x26vt\x3d-4232449209465221699', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quarta-feira, janeiro 21, 2009

Rewind

Julgo que foi o Michael Haneke quem disse, uma vez, que não gostava de flashbacks nos filmes porque estes lhe pareciam sempre explicativos. Um aborrecimento, portanto. Com a nossa memória passa-se o mesmo, é onde quero chegar, agora já sem o Michael Haneke. Tendemos a visitar o passado com o intuito de explicar o presente, à procura de resolver o novelo de complicações em que inevitavelmente nos enredamos, recuando e avançando sem critério. O ideal seria que a memória fosse incorporada no presente, abdicando dos truques todos. Sem enjeitá-la pois foi com as tempestades e a brandura do nosso passado que aqui chegámos, mas trasportando-a para a história de hoje, com leveza, tornando-a quase imperceptível ao primeiro olhar e muito mais funda quatrocentos golpes à frente, quatro noites, um verão escaldante, uma sonata de outono ou até nove semanas e meia depois. Impedindo, no fundo, contra todas as armadilhas, que ela se transforme num mau filme.