<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d15932754\x26blogName\x3db-site\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/\x26vt\x3d-4232449209465221699', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

domingo, junho 14, 2009

A descontraída elegância (Top Disco)

Por razões que ultrapassam, a grande velocidade, o âmbito deste blogue, estive, há uns meses atrás, em contacto próximo com aquilo a que as entidades competentes classificam como música portuguesa. Depois de aturada visita às minhas memórias, às memórias alheias, ao acervo disponível e ao download ilegal, cheguei (não sem suor e algum espanto) a uma brilhante conclusão: mesmo após vinte e tal anos de esforço criativo de um punhado de gerações carregadinhas de vontade, a melhor música portuguesa, na categoria pop-rock, ainda é (falta-me aqui um envelope qualquer e uma Bárbara Guimarães tão decotada como ansiosa por terminar a minha frase em suspenso) esta: