<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d15932754\x26blogName\x3db-site\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/\x26vt\x3d-4232449209465221699', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quarta-feira, outubro 07, 2009

Pretty horses

A contracapa da edição Picador do livro «The Road», de Cormac McCarthy, alberga algumas citações extraordinárias sobre as virtudes do livro «The Road», mas nenhuma melhor do que esta:

«The first great masterpiece of the globally warmed generation.» - Andrew O’Hagan

Ai sim? quem diria? Eu, por acaso, não. Num mundo realmente bom, em que as contracapas das edições Picador vivessem sob o meu jugo, a citação de Andrew O'Hagan seria substituída pelo parágrafo seguinte:

«A perseguição febril ao tópico noticioso mais próximo pode correr bem, mas implica um risco desnecessário: o registo histórico, tal como a wikipedia, é actualizado a cada minuto; o tema evolui, mas o seu tratamento literário literal fica ali gravado no papel, sem se poder adaptar. Pode parecer uma excelente e ousada ideia na altura, mas o autor arrisca-se a tentar entrar na posteridade de calças à boca de sino.» - Rogério Casanova

Na verdade, o principal defeito do «The Road» não é bem esse (está por provar que o cenário pós-apocalíptico do romance tenha alguma intimidade com o derretimento das calotas polares), mas, pelo menos, usar-se-iam as contracapas para disseminar algum bom senso e não a estapafúrdia ideia de que existe uma geração globalmente aquecida na vontade de ser representada pelo último romance de Cormac McCarthy. A literatura não precisa de nós para falar de nós, quanto mais das nossas emissões de gás carbónico. Mesmo uma geração que nunca tenha montado a cavalo e que só encontre o México no fundo nublado de um copo de tequila, ficaria muito mais bem servida, se não quisermos ir demasiado longe, pelo «All the pretty horses», um Cormac McCarthy bastante mais inspirado. Vai uma aposta?