<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d15932754\x26blogName\x3db-site\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/\x26vt\x3d-4232449209465221699', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

domingo, fevereiro 19, 2006

Summertime (parte 1)

Se não é verão andamos enganados aqui à volta da piscina, de pés ao léu e com tempo para deitar fora umas boas horas enquanto o sol nos lambe o corpo. Mas deve ser verão porque senão seria ridículo ter tanta gente de calções ou biquini numa história e esta história não é ridícula, é só uma história à volta da piscina e sosseguem os leitores que ninguém lá entra sem antes passar pelo chuveiro, metido à pressa num dos cantos do cenário por razões de higiene e de estética, sendo que esta última só alguns percebem e da primeira todos precisam assim pretendendo levar uma vida em companhia.

O calor é mais que muito e isso é coisa que até uma alma espevita quanto mais os olhos que, é sabido, não se contentam em ser espelho desses vapores indizíveis e, tantas vezes, vão à procura de ânimo por onde calha como se fossem putos traquinas. Não faltam aqui exemplos desse desassossego (falo dos olhos e não dos putos traquinas que desta vez foram colocados cuidadosamente fora do perímetro da narrativa e deixados à solta para que possam partir vidros, furar pneus e levantar saias onde elas existam visto que por perto, já o disse, está tudo de calções ou biquini). Acontece que nem toda a gente à volta da piscina se oferece ao contentamento inútil do verão, estando um de nós, há uns bons quinze minutos, metido num inverno definitivo, calado e quietinho para sempre. Digamos que bateu a bota apesar de, estou a repetir-me, os pés andarem todos ao léu e nem no defunto haver excepção. Ninguém reparou ainda nesse corpo sem vontades e por isso o leitor deve sentir-se privilegiado por saber desta notícia antes do alvoroço que se seguirá quando Natacha se cansar da revista cor-de-rosa e das outras com ainda mais cores e levantar os olhos e a voz à procura de uma resposta que obviamente não vai chegar pois os finados não falam, nem nesta prosa onde tudo pode acontecer. Nessa altura vai haver quem tente os primeiros socorros e quem diga frases de mão na testa e ares de soprano. Por enquanto, a alegria é apenas contaminada por uma brisa que apareceu sem aviso e que sopra um frio ligeiro mas persistente aos ouvidos.

Há quem nade de costas e quem dê as costas à toalha mas é o céu em frente que todos querem: limpo, glorioso e sem promessa de núvens ou de sombras. Como muitas promessas esta também não será cumprida, já o sabemos, e não falta quase nada para que outros nos acompanhem na descoberta, acometidos pela surpresa de serem visitados, nestes preparos, por tão improvável episódio.

>>

Daniel M.