<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d15932754\x26blogName\x3db-site\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://thebsite.blogspot.com/\x26vt\x3d-4232449209465221699', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quinta-feira, março 02, 2006

Summertime (parte 4)

<<

Esta história padece de uma violenta inquietude, engendrando avanços e recuos como se pudesse evitar – e não pode – o momento em que Natacha descobre o seu marido sem vida mas com a morte, de tão nova, ainda incapaz de lhe roubar o dourado da pele e os demais vestígios do verão. Saiba-se assim o modo como ela lhe procura os pulsos e o peito com as mãos e depois com tudo: cabeça, seios, pernas, orelhas, vértebras, o ar dos pulmões. E quando vencida pelo cansaço, Natacha ergue o rosto e descobre David, o amante, a olhá-la em silêncio da varanda, tomado pelo terror e deslumbre do seu plano. As árvores quietas assustam.

Foi sempre Steve que ela amou mas saber de um homem capaz de por ela se acercar de tão extrema loucura enche-a, repentinamente, de orgulho e, por entre as lágrimas verdadeiras, espanta-se da sua própria crueldade.

[the end]

Daniel M.